Pular para o conteúdo principal

Conscientização de funcionários é vital para empresas

Trabalhar com o público interno tornou-se imprescindível para as empresas que buscam consolidar suas marcas como sustentáveis. Mais do que defender a organização, funcionários e colaboradores devem ser estimulados a adotar os valores e comportamentos éticos que a empresa pretende fundamentar suas práticas socioambientais.

Esses argumentos pautaram as apresentações dos especialistas convidados a participar do 8º Mix Aberje de Comunicação Interna e Integrada, realizado na última semana, em São Paulo. Fechado para um público de comunicadores de grandes empresas brasileiras, o evento tornou-se um encontro em que se apresentaram diversas estratégias de relacionamento com o público interno.

Embora houvesse um foco mais instrumental, como métodos para a disseminação mais eficiente das mensagens – o uso de novas mídias foi um dos exemplos –, idéias de como comprometer o público interno também foram levantadas durante os debates. Um dos casos apresentados foi o da multinacional varejista, Wall Mart.

Segundo o gerente de Comunicação da rede de supermercados, Vinicius Azambuja, se as ações estratégicas da empresa ambicionam, por exemplo, ser referência em responsabilidade socioambiental, é fundamental que os funcionários estejam envolvidos. “Temos metas para usar apenas energia renovável e desperdício zero. Sem a conscientização do funcionário isso será impossível”, argumentou.

Uma das saídas encontradas pelo Wall Mart foi uma parceria com o Instituto Akatu, organização que defende o consumo consciente. Por meio dessa união, a ONG promove uma série de atividades formativas, com o objetivo de mudar comportamentos.

Não deixa de ser curioso nesse trabalho o chamado “Projeto Pessoal para a Sustentabilidade” (PPS), que estimula os colaboradores e funcionários a repensar suas atitudes “É uma oportunidade para que cada um estabeleça metas simples para contribuir com o planeta”, lembrou Azambuja.

Para dar exemplo, o próprio presidente da empresa, Vicente Trius, criou um filme em que interpreta um super-herói com roupas colantes. Ele combate o desperdício de água (seja interferindo na lavagem de um carro, ou em banhos demorados) de forma descontraída. “A diretoria deve mostrar que esse projeto é para todos e que ela acredita nele. Isto é, se envolver”.

Fusões
Há outros casos em que o trabalho deve ser ainda mais criativo, como o do banco Itaú. O desafio começou quando o Bank of América anunciou, em maio de 2006, um acordo visando a troca de seus ativos do BankBoston, de quem era acionista, por ações do banco Itaú. Resultado: o banco americano foi incorporado ao brasileiro.

Durante o período de transição, de quatro meses, um grupo de trabalho de comunicação foi formado para planejar e coordenar as ações com os diversos públicos envolvidos. O grupo reunia lideranças dos dois bancos, nas áreas de Comunicação Interna, Marketing e Recursos Humanos.

“Como é que você faz para jogar fora uma marca? Esse era o nosso desafio. Afinal, não é apenas rasgar todo o material institucional. Foi preciso adotar outra visão e missão”, lembrou a superintendente de Responsabilidade Socioambiental do banco Itaú, Sonia Favareto. Segundo ela, o primeiro passo foi mostrar aos novos funcionários a cultura do banco. Daí nasceu o slogan "O Itaú de portas abertas para você", que fez 72% dos colaboradores do BankBoston se transferirem para a instituição financeira.

Outro ponto fundamental no período de transição foi a passagem das ações realizadas pela Fundação BankBoston para a Fundação Itaú Social. Após um breve período de transição, em que se instituiu a Fundação Itaú Bank (já extinta), o desafio era manter projetos sociais com uma lógica de trabalho distinta a realizada pelo Itaú. “Nós mantivemos os projetos sociais e os compromissos de longo prazo”, garantiu Sonia.

Para isso, foi realizado um trabalho com os profissionais que estão na ponta dos programas para entenderem que a mudança da marca não afetaria o trabalho final. "O que mudou foi a lógica de atuação, que se aproxima mais da cultura do Itaú. Buscamos um meio termo”.

Motivação
Para o diretor de Comunicação Corporativa da Fiat, Marco Lage, nenhuma empresa conseguirá alcançar metas socioambientais (tal como qualquer outra meta) sem a participação dos funcionários. “As organizações são pessoas. Se elas não tiverem motivações pessoais, dificilmente a empresa chegará aos seus objetivos”, disse.

Na prática da Fiat, de acordo com o diretor, a etapa objetiva para a conscientização dos colaboradores foi a criação de um comitê de desenvolvimento sustentável, que passou a elaborar planos voltados aos 22.142 funcionários. “Não se constrói um programa de sustentabilidade com foco em um público A ou B. É preciso criar formas transversais para chegar a todos eles”, argumentou.

Independentemente do tema a ser passado para a equipe, a gerente de Comunicação Interna e Endomarketing da Atento, Ana Cristina Santos, garantiu que é importante fazer com que os funcionários participem das fases de produção dos materiais. “Funcionário tem tanta importância quanto o cliente”, advertiu.

Na Atento, os colaboradores participam dos projetos de comunicação interna, sugerindo, pautando, produzindo e estrelando as peças. “Trabalhamos com nossas próprias vivências para nos entendermos como grupo”. Nesse contexto, a colaboração dos funcionários traz benefícios à marca, à produtividade e à dinâmica entre os colaboradores.


Fonte: Por Rodrigo Zavala, da Rede Gife, in www.aberje.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …